Castelo de Bran (Castelo do Drácula) na Transilvânia

ACREDITA EM VAMPIROS?

Faça uma visita ao Castelo de Bran, na Transilvânia, e quem sabe possa ser a próxima vítima.


“Recolhe-te, é o momento em que a Lua desperta o pálido vampiro no seu leito vermelho”, eternizou nas páginas do tempo o escritor francês Théophile Gautier. Especula-se que esta criatura das sombras, sedenta de sangue fresco, guardiã da escuridão e portadora da dentada letal, fosse o Conde Drácula, personagem do romance gótico de Bram Stoker.

Vlad, o Empalador

Vlad Dracul, o príncipe da Valáquia que serviu de inspiração para Drácula, do romance de 1897 de Bram Stoker.

Ao longo de vários séculos, as lendas disseminaram-se e os sentidos ficaram alerta em todo o mundo, mas é na fronteira entre a Transilvânia e a Valáquia, no tenebroso Castelo de Bran, que o mito de Vlad, o Empalador, finca os seus afiados caninos. Erigido num penhasco de uma floresta da Roménia, país da Europa de Leste abraçado pelo Mar Negro, cujas correntes parecem completar um puzzle de sangues, este monumento nacional de estilo lúgubre é a principal atração turística da cidade de Brasov. Foi morada de saxões, de húngaros e de cavaleiros teutónicos, serviu de escudo de defesa contra os Otomanos e funcionou como posto aduaneiro. A sua construção ficou concluída no século XIV e, seis séculos mais tarde, em 1920, tornou-se residência oficial da família real romena. No entanto, com a imposição do regime comunista, a propriedade foi-lhe retirada, em 1948. Nos anos que se seguiram, a sua manutenção foi negligenciada e os sinais de abandono eram visíveis; mas a sua alma insistia em irromper a noite cerrada.

Em 2009, o Castelo de Bran ficou na posse dos últimos herdeiros da casa real romena, os arquiduques Dominic, Maria Magdalena e Elisabeth. Atualmente, os 89 mil m² de área deste castelo-fortaleza acolhem um museu aberto ao público e atraem mais de 500 mil turistas por ano, que podem usufruir de visitas livres ou guiadas. Do espólio fazem parte obras de arte e peças de mobiliário colecionado pela Rainha Maria. Nas colinas que ladeiam este edifício histórico e sombrio, podem também ser contempladas estruturas camponesas tradicionais da Roménia, como cabanas e celeiros.

Há dois anos foi feita uma proposta de venda da propriedade ao Governo romeno, pelo valor de 58 milhões de euros. Os herdeiros estão recetivos às mais mirabolantes ofertas, mas todos nós sabemos que o Conde Drácula vagueia nos corredores desta mansão… assombrada?!


Publicado na INSOMNIA Magazine #3.

Partilhar na rede